Do-revelandosaocarlos.com.br
Os vereadores Roselei Françoso (PT) e Cidinha do Oncológico (SDD) resolveram desembolsar recursos particulares e viajaram até a capital administrativa do país, Brasília e participaram de duas audiências. Uma no Ministério da Educação – MEC e outra no Ministério da Saúde – MS.
Lembrando que Roselei tem realizado um excelente mandato em defesa da educação e Cidinha do Oncológico em defesa da saúde. E voltaram indignados com o governo Altomani.
Concederam uma entrevista coletiva, nesta quinta-feira (18) na Câmara Municipal e relataram a prevaricação da atual administração. São Carlos perdeu recursos de 03 (três) escolas infantis para atender crianças de 00 a 05 anos. Seriam construídas nos bairros Jd. Zavaglia, Santa Maria e Arnold Schimdt. Tem pendências para aplicar recursos destinados à construção de uma escola infantil no Botafogo e outra no Jd. Embaré.
O governo municipal foi contemplado pelo Plano de Ações Articuladas do Ministério da Educação e conseguiu perder a cobertura de 02 (duas) quadras poliesportivas, num valor de aproximadamente 01 milhão de reais. Também não apresentaram documentação para receber verbas para aquisição de 02 (dois) ônibus escolares, num valor de 255 mil reais.
No Ministério da Saúde ficaram sabendo que o município poderá perder os recursos liberados para construção de Unidades de Saúde da Família – USF. São 05 (cinco) obras paralisadas há mais de um ano. Em relação às UPAS (Vila Prado, Santa Felícia e Aracy) todas tem pendências, tanto para receber recursos para conclusão da unidade do Aracy, bem como para custeio da Santa Felícia. Governo Altomani deixou de receber 850 mil reais desde o início do funcionamento da UPA da Santa Felícia. Os vereadores ouviram o seguinte no MS “São Carlos deve estar nadando no dinheiro”, sequer comunicaram o início das atividades da UPA da Santa Felícia em fevereiro para receber 170 mil/mês de custeio.
Diante de tanta prevaricação, incapacidade administrativa e inércia ideológica, o parlamentar já informou que representará ao Ministério Público a gravidade administrativo-política que passa o município. Entrará com a Ação de Obrigação de Fazer com recursos próprios a EMEI do Zavaglia, cuja região tem 1000 famílias.
Outra iniciativa de Roselei Françoso será a propositura de uma Comissão Processante contra Paulo Altomani, que ao final se comprovado Improbidade Administrativa poderá ser cassado pela Câmara de Vereadores e na justiça ver suspenso seus direitos políticos. A comunidade são-carlense deve parabenizar os dois vereadores que independente de cores partidárias e com recursos próprios tentaram liberar verbas perdidas pela atual administração. Pena que encontraram uma situação irreversível.
“Altomani costuma dizer que não consegue administrar a cidade devido aos bloqueios de repasses de ICMS e FPM, oriundos de uma dívida das décadas de 80 e 90. Entretanto, alguém que reclama da saúde financeira do município não pode abrir mão de recursos voluntários”, disse Roselei.
A inércia administrativa e possível questão ideológica fizeram a cidade perder 17 milhões de reais da ETE do Varjão, 06 milhões de reais da drenagem e pavimento do Varjão, três Unidades de Saúde da Família, três escolas infantis, recursos para custeio da UPA Santa Felícia, recursos para extensão da Av. Trabalhador São carlense, verbas para drenagem, guias e sarjetas e asfaltamento do Jd. São Paulo, emendas para extensão do Pau Brasil.



0 comentários:

Postar um comentário